Negada a concessão de Habeas Corpus para homem preso em Goianinha, RN por por tráfico de Ecstasy

No VNT do TJRN - 08/02/2017
Polícia Militar apreendeu oito mil comprimidos no litoral Sul do RN (Foto: Divulgação/Polícia Militar do RN)
Polícia Militar apreendeu oito mil comprimidos no litoral Sul do RN (Foto: Divulgação/Polícia Militar do RN)
O desembargador Gilson Barbosa, vice-Presidente do TJRN, negou o pedido de Habeas Corpus Com Liminar n° 2017.000624-8, movido pela defesa de Allan Pacheco dos Santos, preso em novembro de 2014, na estrada de Goianinha/RN, com mais de 8 mil comprimidos de ecstasy e, desta forma, acusado de praticar crimes previstos em artigos da Lei nº 11.343/2006, conhecida como “Lei de Tóxicos”. Segundo os argumentos do HC, a prisão foi genericamente fundamentada, não especificando "os verdadeiros motivos" utilizados para a "decretação da custódia preventiva na sentença".

No entanto, para o desembargador, a concessão de medida em habeas corpus somente se mostra cabível nos casos em que a ilegalidade do ato esteja provada de forma patente, o que, no caso dos autos, nesse momento processual, não se verifica de modo comprovado o apontado constrangimento ilegal,

Para o relator não foram demonstrados elementos suficientes para revogar de pronto a prisão do acusado. A sentença condenatória foi proferida em 03 de março de 2016.  O condenado cumpre pena provisória em regime fechado,

A sentença de primeiro grau reforça que haviam informações prévias da polícia e da comunidade confirmando que Allan Pacheco comercializava entorpecentes na Praia da Pipa, sendo apontado como um dos grandes traficantes da droga sintética do Estado.

Com informações do TJRN
Share on Google Plus

About VNT Online

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.