Recent

Postagens mais visitadas

Navigation

Governo Federal assina contrato com Pfizer e Janssen para compra de 138 milhões de doses

Do Correio Braziliense - 20 MAR 2021
(crédito: AFP / Lindsey Parnaby)


O Ministério da Saúde assinou nesta sexta-feira (19/3) os contratos com as empresas Janssen e Pfizer para a compra de 138 milhões de vacinas contra a covid-19, sendo 100 milhões do imunizante da Pfizer e o restante da Janssen. As primeiras vacinas começarão a ser entregues entre abril e junho.

Segundo a pasta, o cronograma de entregas acordado no contrato com a Pfizer prevê a entrega das primeiras 13,5 milhões de doses entre abril e junho e as 86,5 milhões restantes entre julho e setembro. Já o cronograma proposto pela Janssen prevê a disponibilidade de 16,9 milhões de doses entre julho e setembro e outros 21,1 milhões de doses entre outubro e dezembro de 2021.

“Cabe ressaltar que o cronograma de entrega das vacinas é enviado ao Ministério da Saúde pelos laboratórios e está sujeito a alterações, de acordo com a disponibilidade de doses e a real entrega dos quantitativos realizada pelos fornecedores”, disse a pasta em nota. O investimento é de R$ 5,63 bilhões na compra com a Pfizer e outros R$ 2,14 bilhões, com a farmacêutica Janssen.

Histórico

A primeira vacina a receber o registro definitivo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi a da Pfizer, em 23 de fevereiro. À época, a farmacêutica, mesmo tendo realizado testes de fase três no país, não possuía acordos com o governo federal e as negociações encontravam-se travadas em razão das cláusulas contratuais. Foi necessário levar o entrave ao Congresso para que os parlamentares flexibilizassem a legislação a fim de trazer segurança jurídica para que o Planalto avançasse nas compras.

Tal brecha também serviu para que o Ministério da Saúde conseguisse chegar a um consenso em relação à aquisição do imunizante da Janssen. Ambas as empresas fizeram "exigências que prejudicam os interesses do Brasil e cederam pouquíssimo, ao contrário de outros fornecedores", como descreveu o secretário-executivo, Elcio Franco, para justificar o imbróglio.

O impasse girava em torno de garantias de pagamento, incluindo renúncia de ativos no exterior, além de isenção, por parte das empresas, da responsabilidade de eventuais efeitos graves que as vacinas possam causar.

Outras vacinas

A vacina Covishield, produzida pela Universidade de Oxford com a AstraZeneca, que já é utilizada para imunizar a população brasileira, também obteve registro definitivo da Anvisa na última semana. Já a CoronaVac, produzida pela Sinovac junto com o Instituto Butantan, também já aplicada na população brasileira, só obteve até o momento autorização para uso emergencial.

Share
Banner

VNT Online

Post A Comment:

0 comments:

OS COMENTÁRIOS POSTADOS AQUI SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO AUTOR DO COMENTÁRIO.

PARA FAZER COMENTÁRIOS NO VNT:

Respeitar o outro, não conter insultos, agressões, ofensas e baixarias, caso contrário não serão aceitos.

Não usar nomes de terceiros para emitir opiniões, o uso indevido configura crime de falsidade ideológica.