Bob Dylan ganha o Prêmio Nobel de Literatura 2016

No VNT do G1 - 14/10/2016
Bob Dylan durante show no Hop Festival em Paddock Wood, na Inglaterra, em junho de 2012 (Foto: Ki Price/Reuters/Arquivo)
Bob Dylan durante show no Hop Festival em Paddock Wood, na Inglaterra, em junho de 2012 (Foto: Ki Price/Reuters/Arquivo)
O cantor e compositor americano Bob Dylan, de 75 anos, foi anunciado nesta quinta-feira (13) o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura 2016. A escolha foi divulgada em um evento em Estocolmo, na Suécia. Além do título, Dylan, que é considerado um dos maiores nomes da música do século XX, receberá 8 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 2,9 milhões).

A opção por um músico – e não por um escritor de ofício – soa incomum, mas o nome do Dylan vinha sendo cotado havia muitos anos. Também poeta e com diversos livros lançados, o artista é aclamado sobretudo pelo lirismo de suas letras. Desta vez, no entanto, ele não estava entre os favoritos nas casas de apostas.

Reconhecendo que o Nobel de literatura de 2016 pode parecer surpreendente, a secretária-geral da Academia Sueca, Sara Danius, declarou que Dylan foi escolhido "por criar novas expressões poéticas dentro da grande tradição da música americana". 

A academia citou ainda que "Dylan tem o status de um ícone" e que "sua influência na música contemporânea é profunda". "Ele é provavelmente o maior poeta vivo", declarou Per Wastberg, membro da instituição.

A nota biográfica do prêmio afirma que "Dylan gravou um grande número de álbuns que giram em torno de temas como a condição humana, religião, política e amor". Dentre os clássicos compostos por ele, estão "Blowin' in the wind", "Subterranean homesick blues", "Mr. tambourine man" e "Like a rolling stone".

Perfil
Nascido Robert Allen Zimmerman em 24 de maio de 1941, em Duluth, Minnesota, nos Estados Unidos, Bob Dylan cresceu em uma família judaica de classe média em uma cidade mineradora. Na adolescência, tocou em diversas bandas, dedicando-se à tradição da música americana, especialmente ao folk e ao blues. Um de seus ídolos era o Woody Guthrie, um dos maiores nomes do folk.

Mais tarde, Dylan largou a faculdade e se mudou para Nova York onde se tornou famoso no início dos anos 1960. Lá, passou a tocar em casas de shows e cafés no famoso bairro Greewich Village.
Seu primeiro disco, "Bob Dylan", é de 1962. Entre trabalhos de inéditas, coletâneas e registros de shows, foram registrados oficialmente 69 álbuns (veja lista abaixo). O mais recente é "Fallen angles", de 2016, no qual interpreta clássicos americanos populariados por Frank Sinatra.
Foi somente em seu segundo disco, "The freewheelin' Bob Bylan", de 1963, que Dylan revelou seu talento como compositor – o álbum de estreia tinha somente duas canções originais. "The freewheelin'" tem a faixa que talvez seja o maior clássico de Dylan, "Blowin' in the wind".

Outros trabalhos marcantes foram "The times they are a-changin'", de 1964, "Bringing It all back home", de 1965, "Highway 61 revisited", também de 1965, e "Blonde on Blonde", de 1966, todos lançados em sequência. "Blood on the tracks", de 1975, é outro dos destaques daquelas primeiras décadas.

Na turnê mundial de 1966, Bob Dylan deixou os fãs perplexos e causou polêmica ao "trair o folk", trocando o violão pela guitarra elétrica. Chegou a ser chamado de "Judas" em razão da escolha. O material do período vai ser lançado em 36 discos na coletânea "Boby Dylan: The 1966 live recordings", prevista para novembro.

Da fase mais posterior, o perfil da Academia Sueca citou como "obras-primas" os discos ""Oh mercy", de 1989, "Time out of mind", de 1997, e "Modern times", de 2006.

Dez vezes vencedor do Grammy, Bob Dylan já se reinventou por diversas vezes, assumindo as identidades de desafiador do pop, estrela do rock, poeta sábio e cristão missionário – ele se converteu ao cristianismo em 1979.

Em 2004, Bob Dylan foi eleito pela revista americana "Rolling Stone" o segundo melhor artista de todos os tempos, atrás apenas dos Beatles.

Veja os vencedores do Nobel de Literatura dos últimos anos:
2015: Svetlana Alexiévitch (Belarus)
2014: Patrick Modiano (França)
2013: Alice Munro (Canadá)
2012: Mo Yan (China)
2011: Tomas Tranströmer (Suécia)
2010: Mario Vargas Llosa (Peru)
2009: Herta Müller (Romênia)
2008: Jean-Marie Gustave Le Clézio (França)
2007: Doris Lessing (Reino Unido)
2006: Orhan Pamuk (Turquia)
2005: Harold Pinter (Reino Unido)
2004: Elfriede Jelinek (Áustria)
2003: J. M. Coetzee (África do Sul)
2002: Imre Kertész (Hungria)
Share on Google Plus

About vnt online

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.