Policial militar é executado a tiros na Grande Natal

No VNT do G1 RN - 26 JAN 2018
O sargento Ailton de Lira, da PM do Rio Grande do Norte, foi morto a tiros em São Gonçalo do Amarante (Foto: Divulgação/PM)
O sargento Ailton de Lira, da PM do Rio Grande do Norte, foi morto a tiros em São Gonçalo do Amarante (Foto: Divulgação/PM)

Um policial militar foi executado a tiros nesta sexta-feira (26) em uma comunidade de Jacaré Mirim, na cidade de São Gonçalo do Amarante, Grande Natal. O sargento José Ailton de Lira foi executado a tiros por criminosos que estão sendo procurados pela polícia.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar, os suspeitos são dois homens que estão armados com pistolas 380 e ponto 40. Esta última é a mesma utilizada pela polícia. O sargento estava em um bar na localidade de Jacaré Mirim quando foi abordado pelos dois.

Os criminosos chegaram em um HB 20 branco, desceram e atiraram várias vezes contra ele. Os tiros acertaram o tórax e a cabeça, e José Ailton de Lira morreu na hora. Os bandidos fugiram levando a arma do policial militar.

De acordo com o subtenente Eliabe Marques, presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBMRN), este é o terceiro policial morto em 2018 no Rio Grande do Norte. "(José Ailton) De Lira era um profissional exemplar, com relevantes serviços prestados à comunidade. O terceiro policial que perdemos só em janeiro, e as autoridades estão aí, inertes", declarou.

O capitão Flávio Peixoto, das Rondas ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocan), reforçou que o sargento tinha boa conduta dentro da corporação. Peixoto está atuando na busca aos responsáveis pelo crime. "É mais um operador da Segurança que perde a sua vida de maneira covarde", lamentou o oficial.

José Ailton de Lira trabalhava no patrulhamento da cidade de Ceará-Mirim, na Região Metropolitana de Natal. Familiares do sargento disseram que ele costumava ir ao local em que foi assassinado. Jacaré Mirim fica na zona rural de São Gonçalo do Amarante, e o policial dizia aos parentes que sentia paz quando ia até a comunidade, porque a violência ainda não havia chegado por lá.
Share on Google Plus

About VNT Online

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.