Recent

Postagens mais visitadas

Navigation

Polícia prende em Natal suspeito de participar de assassinato de prefeito de cidade do Rio de Janeiro

No VNT do G1 RN  - 13 DEZ 2018
Suspeito foi preso na Praia de Ponta Negra e levado para a Delegacia de Capturas — Foto: Acson Freitas/Inter TV Cabugi

Agentes da Força Nacional prenderam em Natal, nesta quinta-feira (13), um homem suspeito de ter participado do assalto que resultou na morte do prefeito de Rio Claro, no Rio de Janeiro, em 2015. O suspeito tem 30 anos, estava escondido na capital potiguar e trabalhava como vendedor na Praia de Ponta Negra, na Zona Sul, ponto turístico mais frequentado da cidade.

Raul Fonseca Machado era prefeito de Rio Claro quando foi vítima de um latrocínio em 20 de dezembro de 2015, no sítio onde morava com a esposa. De acordo com a Polícia Militar, homens armados e encapuzados entraram na propriedade e renderam o casal. Dr. Raul, como era conhecido, foi baleado em uma troca de tiros com os criminosos. O corpo dele foi encontrado em um dos quartos. A esposa do prefeito não se feriu.

Os bandidos fugiram levando dois carros que pertenciam a Raul Machado. Os automóveis foram encontrados incendiados às margens da Via Dutra, próximo ao bairro Jaqueira, em Piraí, na madrugada do dia seguinte.

Três homens suspeitos de envolvimento no crime já estão presos no Rio de Janeiro. A Força Nacional investigava o paradeiro deste outro suspeito, foragido em Natal, havia alguns meses e montou uma operação nesta quinta (13) para prendê-lo.


Os agentes disseram que, quando o encontraram na barraca da praia, ele tentou fugir correndo. Na fuga, ainda entrou em luta corporal com um dos homens da FN e acertou um soco no nariz do policial, porém foi rendido e encaminhado à Delegacia Especializada de Capturas (Decap), na capital potiguar.
Share
Banner

VNT Online

Post A Comment:

0 comments:

OS COMENTÁRIOS POSTADOS AQUI SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO AUTOR DO COMENTÁRIO.

PARA FAZER COMENTÁRIOS NO VNT:

Respeitar o outro, não conter insultos, agressões, ofensas e baixarias, caso contrário não serão aceitos.

Não usar nomes de terceiros para emitir opiniões, o uso indevido configura crime de falsidade ideológica.