Recent

Postagens mais visitadas

Navigation

TRE marca para fevereiro eleições suplementares em dois municípios do RN; Santa Cruz e Passa e Fica

No VNT do G1 RN - 14 DEZ 2018
Foto: Reprodução/internet

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte divulgou a data das eleições suplementares nos municípios de Santa Cruz e Passa e Fica, ambos na região Agreste potiguar. O pleito vai acontecer no dia 3 de fevereiro de 2019, das 8h às 17h.

A data foi disponibilizada pelo Tribunal Superior Eleitoral e acatada por todos os membros da Corte no estado.

Os mandatos da prefeita e vice-prefeito do município de Santa Cruz, Fernanda da Costa Bezerra e Ivanildo Ferreira Lima Filho foram cassados pela Justiça Eleitoral por causa da prática de abuso de poder político com repercussão econômica nas eleições de 2016.

Em Passa e Fica, o prefeito e ao vice-prefeito do município, Leonardo Lisboa e Aluízio Almeida de Araújo, foram afastados dos cargos por abuso de poder econômico e político também durante o pleito eleitoral de 2016.

Eleição na Câmara de Santa Cruz
Em Santa Cruz, além da prefeita e do vice, seis dos nove vereadores foram cassados pela Justiça, entre eles o então presidente da Câmara. Os suplentes foram nomeados e fizeram uma nova eleição de mesa diretora em sessão tumultuada, na última terça-feira (11). Entretanto, a Justiça cancelou a sessão e determinou uma nova sessão, que foi realizada nesta sexta-feira (14) e confirmou o resultado.

O presidente eleito foi o parlamentar Marco Celito da Costa, que deverá assumir a prefeitura interinamente até a realização da eleição suplementar no município, no próximo ano. Por enquanto, o vereador Gean Paraibano, que já tinha o cargo de vice-presidente do Legislativo, ficará com o comando da Casa.
Share
Banner

VNT Online

Post A Comment:

0 comments:

OS COMENTÁRIOS POSTADOS AQUI SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO AUTOR DO COMENTÁRIO.

PARA FAZER COMENTÁRIOS NO VNT:

Respeitar o outro, não conter insultos, agressões, ofensas e baixarias, caso contrário não serão aceitos.

Não usar nomes de terceiros para emitir opiniões, o uso indevido configura crime de falsidade ideológica.