Recent

Postagens mais visitadas

Navigation

Professor embriagado tenta fugir de blitz da Lei Seca em Natal, bate carro em viatura do Detran e é preso

No VNT do G1 RN - 25 ABR 2019
Viatura da PM, utilizada na Operação Lei Seca, ficou bastante danificada com a batida — Foto: PMRN/Divulgação

Um professor foi preso na madrugada desta quinta-feira (25) ao tentar fugir de uma blitz da Lei Seca realizada na Avenida Prudente de Morais, uma das mais movimentadas da Zona Sul de Natal. Segundo a Polícia Militar, o motorista dirigiu por 500 metros em marcha a ré, deu um cavalo-de-pau e bateu de frente em uma viatura do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Segundo a Polícia Militar, após ser socorrido, o professor fez o teste de bafômetro e o resultado foi positivo para a ingestão de bebida alcoólica. Outros 33 motoristas também foram autuados por embriaguez ao volante durante a fiscalização.

"O professor engatou a marcha a ré assim que viu a blitz. Ele dirigiu por 500 metros, deu um cavalo-de-pau para deixar o carro de frente e acabou batendo em uma viatura que estava voltando para a barreira. O agente do Detran ainda tentou desviar, mas não deu tempo", afirmou o capitão da PM Isaac Paiva, coordenador da Lei Seca no Rio Grande do Norte.

Ainda de acordo com o capitão, o professor foi atendido por socorristas do Samu, e depois que foi atendido fez o teste do bafômetro. "O resultado foi de 0.64 miligramas de álcool, configurando crime de trânsito. Ele recebeu voz de prisão e foi levado para a delegacia. Até o final da blitz, ele permanecia à disposição da Justiça, aguardando a audiência de custódia", acrescentou Isaac.

Carro do professor também ficou bastante amassado  — Foto: PMRN/Divulgação
Carro do professor também ficou bastante amassado — Foto: PMRN/Divulgação
Share
Banner

VNT Online

Post A Comment:

0 comments:

OS COMENTÁRIOS POSTADOS AQUI SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO AUTOR DO COMENTÁRIO.

PARA FAZER COMENTÁRIOS NO VNT:

Respeitar o outro, não conter insultos, agressões, ofensas e baixarias, caso contrário não serão aceitos.

Não usar nomes de terceiros para emitir opiniões, o uso indevido configura crime de falsidade ideológica.