Recent

Postagens mais visitadas

Navigation

MP recomenda ao Governo do RN suspensão de pontos de distribuição do Programa do Leite

No VNT do MPRN - 22 JUL 2019
Investigações identificaram irregularidades sanitárias e riscos ao patrimônio público

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) recomendou que o Governo do Estado suspenda, imediatamente, o funcionamento dos pontos de distribuição de leite do Programa do Leite Potiguar que tiveram as condições reprovadas pelas Vigilâncias Sanitárias Municipais, sob a coordenação da Suvisa. A recomendação ministerial, publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (19), baseia-se em laudos, elaborados em dezembro de 2018 e no decorrer deste ano. A suspensão deve durar até que esses pontos regularizem as inconformidades encontradas.

Entre as irregularidades identificadas estão: pontos de distribuição do Leite Potiguar em locais inadequados do ponto de vista sanitário e de acondicionamento do leite (com o comprometimento da qualidade do leite e do controle na distribuição do produto aos beneficiários do programa); ausência da participação dos municípios na operacionalização do programa; ausência de indicação dos pontos de distribuição do leite; e inexistência de servidor/contratado para operar de forma regular e contínua a distribuição desse produto. Também foi identificado que se for necessário, é desejável a disponibilização de transporte refrigerado para os distritos vinculados ao município, a fim de garantir a capilarização desse serviço assistencial em benefício da população menos favorecida que vive longe dos centros urbanos. 

Além dos problemas sanitários, o MPRN identificou riscos ao patrimônio público. O Estado tem previsão orçamentária para este ano de 2019 de  R$ 50 milhões de reais com o Programa do Leite Potiguar. Diante de tudo isso, a recomendação, emitida em conjunto pelas 49ª e 62ª Promotorias de Justiça de Natal, traz medidas urgentes a serem tomadas e orientações quanto ao plano operacional para o programa e sua fiscalização.
O Programa do Leite Potiguar, que deve ser operacionalizado pelo Estado em conjunto com o município que funcione como entidade recebedora, contempla 164 municípios potiguares. No entanto, apenas nove deles possuem convênio formalizado com o Estado, mediante assinatura de um Termo de Cooperação e Plano Operacional – condição exigida em decreto que disciplina o programa. 

A Suvisa constatou que os pontos de distribuição do leite mais adequados são os geridos diretamente pelos municípios. 

Outra questão é em relação à regra adotada pelo programa para que a distribuição do leite seja realizada por agente público voluntário informal. Ocorre que alguns dos agentes voluntários alteraram os dias e horários de seu recebimento, como também o local de distribuição. A consequência disso é a falta de regularidade e continuidade no serviço prestado pelo Programa do Leite Potiguar, além de efetivo prejuízo na fiscalização do programa. 

O fornecedor laticinista deve entregar o leite no mínimo duas vezes por semana, nos horários de funcionamento dos pontos de entrega determinados, obedecendo ao prazo de validade do produto, devidamente expresso na embalagem, bem como normas sanitárias vigentes. Porém, apenas 43 municípios recebem o leite dos fornecedores laticinistas duas vezes por semana. A maioria (101 municípios, portanto) recebe apenas uma vez por semana. 

Pelo que foi constatado, dos 332 pontos de distribuição, 274 recebem o leite apenas uma vez por semana. Essa logística, que visa reduzir os custos dos fornecedores, não é adequada aos fins que a política assistencial propõe. A explicação está no fato de que esse tipo de procedimento acarreta problemas de manuseio de grandes quantidades do produto numa única oportunidade, além de gerar maiores dificuldades de conservação e de não induzir ao uso frequente e contínuo de quantidades equilibradas de leite ao longo da semana aos contemplados pelo programa. 
Embora a Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas) reconheça a necessidade de regularização da relação entre o Estado e os Municípios desde o início das investigações ministeriais em 2017, não foram realizadas as necessárias modificações até agora. A Secretaria chegou a apresentar ao MPRN o levantamento dos pontos de distribuição do Leite Potiguar visando a readequação daqueles que apresentavam problemas. 

Recomendação
Entre as medidas urgentes, elencadas na recomendação, está a adoção de providências para compatibilizar a aquisição do leite do produtor rural e do fornecedor laticinista (devido à diminuição da demanda do leite por causa da suspensão mencionada), para que seja evitado dano ao patrimônio público. O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap), também deve promover em até 30 dias, por meio da Suvisa (ou pelas Visas Municipais) a interdição dos pontos de distribuição especificados que ainda não se regularizaram. 

Visando a eficiência e a eficácia da política pública assistencial relativa ao Programa do Leite, bem como a proteção do patrimônio público e da saúde pública, o MPRN está recomendando ao Estado, por meio da Sethas, que elabore um plano operacional. 

O plano de ação deve contemplar uma chamada pública (para entes públicos municipais ou as instituições filantrópicas) para a celebração de um termo de cooperação com o Estado que vise a execução do Programa do Leite (contendo as correções das irregularidades) e posterior ampla publicização dessa chamada.

O MPRN também requer que os municípios e as entidades filantrópicas prestem uma série de informações (após transcorridos os prazos constantes no termo de cooperação) que vão desde em quais municípios assumiram a logística da distribuição do leite a quais municípios o Estado assumirá diretamente essa logística, até se existem municípios que deixarão de ser contemplados pelo programa.

Confira aqui a recomendação.
Share
Banner

VNT Online

Post A Comment:

0 comments:

OS COMENTÁRIOS POSTADOS AQUI SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO AUTOR DO COMENTÁRIO.

PARA FAZER COMENTÁRIOS NO VNT:

Respeitar o outro, não conter insultos, agressões, ofensas e baixarias, caso contrário não serão aceitos.

Não usar nomes de terceiros para emitir opiniões, o uso indevido configura crime de falsidade ideológica.